Cirurgia de Retirada do Útero: Como Funciona? Engorda? Consequências!

A cirurgia de retirada do útero é tamanha chamada de Histerectomia. É um procedimento agressivo realizado por um ginecologista, que pode levar a extração parcial ou até completa do órgão.

A histerectomia é indicada apenas em determinados casos, pois a retirada do útero tira a capacidade da mulher de ter filhos. O útero pesa quase 100g, no seu interior cabe até 5ml de líquido. Quando a mulher está grávida, o útero chega a pesar 1kg e armazenar até 5 litros.


De acordo com pesquisa médicas, a histerectomia está em segundo lugar das cirurgias feitas em todo mundo. Nos Estados Unidos, calcula-se que 600 mil mulheres anualmente vão realizar essa operação.  Já no Brasil, aproximadamente 25% das mulheres até 60 anos, vão ser submetidas a histerectomia.

Como funciona a cirurgia de retirada do útero?

mulher com roupa representando seu útero

A cirurgia de retirada do útero pode ser parcial ou total, inclusive com a retirada de outros órgãos como trompas, ovários, etc.

A histerectomia é indica para os seguintes casos:

Endometriose – Uma doença que acomete muitas mulheres na faixa dos 30 anos. Ela é caracterizada pela presença do endométrio em outros órgãos fora do útero, como ovários, bexiga, trompas e intestinos. O endométrio é um tecido que reveste todo útero. Em geral, é preciso fazer uma histerectomia abdominal.

Adenomiose – Doença no útero que acomete mulheres entre 35 a 50 anos. Semelhante a endometriose. Único tratamento é a retirada do útero.

Dor pélvica crônica – A dor pélvica crônica causada por qualquer condição no útero, pode ser necessária a histerectomia.

Miomas – Os miomas são tumores de origem benigna. Caso, eles fiquem muito grandes, causando muita dor e comprimindo outros órgãos, será recomendada a histerectomia abdominal.

Sangramento anormal na vagina – Sangramentos anormais vaginal que não conseguem ser superados por meio de tratamentos hormonais, pode ser necessária a retirada do útero.

Câncer – Quando a mulher tem câncer de ovário, câncer de colo do útero, câncer do endométrio ou câncer do útero, a indicação é para a histerectomia.

Tipos de cirurgia de retirada do útero

A cirurgia de retirada do útero pode ser feita por 4 tipos diferentes de técnicas. Entenda cada tipo:

Abdominal

É um corte grande feito na região do abdômen. É indicada para os casos de endometriose, câncer de ovário. Quase 70% das cirurgias de útero são realizadas por esse meio.

Laparoscópica

Pode ser adominal ou vaginal. É a inserção de um tubo fino, com fonte de luz e câmera na ponta do tubo. O cirurgião retira o útero por meio do procedimento chamado de morcelamento. Essa técnica é a extração do órgão por fragmentos.

Vaginal

Esse procedimento é feito por meio da vagina, mas não envolve cortes e deixa nenhuma cicatriz. É considerada pouco agressiva, pois o médico separa o útero dos outros órgãos com aparelho e faz a retirada do útero pela vagina. A paciente fica menos tempo no hospital e a recuperação é mais rápida. É recomendado para os cânceres colo de útero e endométrio.

Robótica

É parecida com a laparoscopia, mas é utilizado um sistema moderno de robô, com braços mecânicos de grande precisão. O médico vai acompanhar toda cirurgia através de câmeras com imagens tridimensionais.

O que muda com a retirada do útero?

mulher com a mão no utero

Após a retirada do útero, a mulher não pode mais ter filhos nem menstruar.

Quando os ovários não são extraídos também, a mulher vai continuar liberando hormônios. Caso haja a retirada também desses órgãos, a mulher entra na menopausa. A partir daí, será preciso reposição hormonal.

O corpo da mulher sofre outras alterações como redução da lubrificação vaginal, queda da libido, depressão e os outros problemas psicológicos.

Riscos e consequências

Em geral, a histerectomia não tem nenhuma contraindicação. No entanto, há alguns riscos cirúrgicos, principalmente em pacientes com pressão alta, diabetes e obesas.

Os principais riscos durante e após a cirurgia são:

  • Infecção
  • Danos em órgãos próximos
  • Sangramento intenso
  • Coágulos de sangue nos pulmões e pernas
  • Reações adversas à anestesia.
  • Vômitos frequentes
  • Febre
  • Inchaço ou vermelhidão
  • Dores abdominais
  • Insônia
  • Ansiedade
  • Trombose
  • Fadiga
  • Depressão
  • Irritabilidade
  • Fístulas e lesões nos órgãos causando hemorragia
  • Dores articulares
  • Vagina encurtada

uma cirurgia de retirada do utero

Recuperação após a cirurgia

A recuperação após a cirurgia de retirada do útero é delicada. A mulher deverá tomar medicamentos para evitar infecções e aliviar a dor. Pode ser preciso também o uso de absorventes higiênicos, em razão de corrimentos e sangramentos que podem ocorrer.

A mulher vai sentir dores tanto físico quanto psicológicas. A histerectomia muda vários aspectos da vida dela de forma permanente.

Quanto tempo de repouso após a cirurgia?

O tempo de recuperação após a cirurgia de retirada do útero vai depender do tipo de procedimento utilizado.

Na histerectomia vaginal, a mulher pode ficar de um a dois dias no hospital de repouso e sua recuperação será ate em 4 semanas. No entanto, relações sexuais serão permitidas após 2 meses.

A recuperação da histerectomia abdominal é mais longa. Os dias de repouso no hospital são de 3 a 5 dias. A recuperação é mais longa e pode durar até 6 semanas.

A retirada do útero engorda?

Não há nenhuma correlação entre a histerectomia e o ganho de peso. No entanto, há relatos que muitas mulheres engordaram após a cirurgia. O ganho de peso é por conta da redução do nível de estrógeno, retenção de líquido e aumento da produção de progesterona.

Preço da cirurgia

A retirada do útero pode ser realizada pelo SUS. Além disso, muitos planos de saúde cobrem essa cirurgia.

A histerectomia mais barata é a abdominal e custa, em média, 10 mil reais.

Já as histerectomias laparoscópicas ou robóticas custam em torno de 18 a 23 mil.

Pergunta dos leitores

A cirurgia de retirada do útero é perigosa?

Sim. Assim como todo procedimento cirúrgico. A histerectomia apresenta vários riscos como descritos acima.