O Que é Vaginismo? Quais as Causas, Sintomas e Tratamentos?

O vaginismo é uma condição que afeta um número considerável de mulheres. No entanto, a maioria ainda não sabe o que é ou o que isso significa, de fato.

Sendo assim nada melhor do que continuar lendo e entender um pouco mais sobreo que o problema, suas causas e também tratamentos. Vamos lá?!

O que é vaginismo?

O vaginismo, nada mais é do que uma disfunção feminina de caráter sexual. Ela também e conhecida como Transtorno da dor gênito-pélvica e da penetração.

Esse problema se caracteriza pela contração involuntária da vagina. Isso leva a ardência, desconforto, dores, problemas na penetração e até à incapacidade de estabelecer relações sexuais.


Essa é uma patologia psicossomática na qual a mulher sente um grande desconforto e dores na região vaginal. Muitas vezes, a consequência disso são espasmos do músculo pélvico, bem como de outras partes do corpo, tais como coxas, nádegas, costas e etc. Além disso, o problema pode levar até mesmo a uma parada temporária da respiração

Causas

Muitas vezes, os sintomas do vaginismo aparecem de forma repentina. Isso se resume em contrações, dor, desconforto e problemas de penetração. Essa dor nada mais é do que o resultado de uma contração involuntária dos músculos que se encontram ao redor da vagina.

De uma forma geral, o vaginismo associa uma combinação causas que são físicas e não físicas. Isso faz com que a mulher passe a um processo de antecipar a dor.

Obviamente, a reação é involuntária, mas a com essa antecipação ansiosa leva a uma contração da musculatura pélvica. O corpo atua como se estivesse se protegendo de um perigo que se aproxima.

Isso é o mesmo que acontece quando se antecipa um impacto. Quando vamos cair no chão ou bater contra algo, os músculos da perna, braços, pálpebras, costas e etc., se contraem. É uma forma de proteção.

É esse mesmo mecanismo que faz com que o vaginismo seja algo tão doloroso, dificultando ou até mesmo impedindo a penetração.

No entanto, é muito importante lembrar que esse quadro não é culpa da mulher. Não é ela que causa a contração de forma intencional. O fato é que ela simplesmente não consegue interromper esse processo.

imagem de mulher representando o Vaginismo

Causas físicas

  • Malformação ou mal posicionamento do canal vaginal
  • Hímen espesso
  • Histórico de traumas na bacia
  • Infecções ou problemas no trato urinário
  • Infecções fúngicas
  • Cistos
  • Tumores pélvicos ou genitais
  • Câncer
  • DST’s
  • Endometriose
  • Doenças pélvicas inflamatórias
  • Vulvodinia
  • Eczemas
  • Líquen escleroso
  • Psoríse
  • Prolapso vaginal
  • Cesarianas
  • Abortos
  • Parto normal
  • Secura vgina
  • Atrofia vaginal

Causas não físicas

  • Antecipação ou medo da dor no ato sexual
  • Medo de não estar fisicamente curada por completo
  • Medo de engravidar
  • Ansiedade
  • Negatividade sexual
  • Pressão por um bom desempenho
  • Traumas emocionais
  • Abuso
  • Medo de compromisso
  • Desapego emocional
  • Ansiedade por estar vulnerável
  • Memórias reprimidas
  • Educação rígida em excesso na infância
  • Ensino religioso desequilibrado, que prega que o sexo é ruim
  • Educação sexual inadequada
  • Culpa

Sintomas do vaginismo

O mais comum é que haja dor durante a relação sexual, sendo um dos principais sintomas. Na maioria dos casos, ela acontece unicamente no momento da penetração. Já com a retirada do pênis, normalmente essa dor esvaece, embora nem sempre isso aconteça.

Quem sofre com esse problema, normalmente, descreve a dor como sendo de rasgação. Descrevem a dor também como se o pênis estivesse batendo contra uma parede. Vale lembrar que as mulheres também sentem o mesmo tipo de desconforto ao introduzirem absorventes internos ou realizarem exames.

Veja a seguir uma lista dos sintomas mais comuns do vaginismo:

  • Latejamento ou ardência, junto da sensação de estreitamento da abertura da vagina durante a relação sexual.
  • Dificuldade ou impossibilidade de penetração
  • Dor na entrada da vagina
  • Penetração peniana desconfortável
  • Desconforto frequente após o sexo
  • Espasmos que ocorrem de forma involuntária em determinados grupos musculares, tais como parte inferior das costas, pernas e etc.
  • Prender, involuntariamente, a respiração durante a penetração
  • Evitar ter relações sexuais por causa da dor ou do insucesso da mesma.

Vaginismo X Dispareunia

A Dispareunia nada mais é do que um termo médico que significa “intercurso doloroso”. Esse é um termo utilizado para descrever diferentes tipos de dor sexual. Essa dor pode ser decorrente da penetração, ocorrer no intercurso da relação ou até mesmo depois do coito.

Além disso, a Dispareunia pode atingir qualquer região da área genital, abrangendo desde o clitóris até os lábios ou o canal vaginal.

Sendo assim, o vaginismo nada mais é do que uma das possíveis dores sexuais (Dispareunias). Como já foi dito, o vaginismo é uma Dispareunia caracterizada pela contração involuntária de grupos musculares, dificultando ou impossibilitando uma relação sexual.

Possíveis complicações

mulher com um cadeado nas pernas

Uma das principais complicações do vaginismo é que a mulher perca o interesse sexual. Isso porque a recorrência das dores faz com que muitas mulheres desistam de ter relações sexuais, pelo fato de ficarem frustradas e ansiosas.

A ansiedade, por sua vez, pode levar a mulher a antecipar a dor. Isso faz com que ela entre no que se chama de “ciclo da dor”, que ocorre da seguinte forma:

  • O corpo antecipa a dor e a mulher fica com medo e ansiedade
  • Antecipando a reação, naturalmente, o corpo aperta o canal vaginal, contraindo os músculos.
  • Isso torna o sexo doloroso, podendo tornar a penetração impossível.
  • A dor fica mais intensa
  • No fim da relação sexual, o corpo acaba condicionado a agir dessa mesma forma quando a situação se repetir.
  • A mulher traumatizada passa a evitar relações sexuais, fazendo com que se desenvolva a falta de desejo

Qual o tratamento para vaginismo?

A boa notícia é que o vaginismo tem cura e o tratamento é diretamente ligado ao que causa a doença. Não existe um tratamento cirúrgico para o caso, nem mesmo medicamento, porém seu tratamento apresenta boas chances de resultado. É possível obter altas taxas de sucesso em um tempo bom.

Primeiramente, se houver sinais evidentes de nervos ultra-sensíveis ou infecções na abertura vaginal, o problema será tratado com medicamentos próprios.

No entanto se as causas não forem físicas como as citadas acima, trata-se de um problema psicossomático e não físico. Em muitos casos, por mais que haja tratamento das causas físicas e que elas sejam extinguidas, o vaginismo ainda pode continuar ocorrendo.

Dessa forma, na ausência de mais causas físicas, podem ser necessárias técnicas de autoajuda. Isso pode ser educação sexual, aconselhamento de um profissional e também exercícios vaginais na resolução do problema.

Veja algumas opções de tratamentos para o vaginismo:

  • Terapias sexuais
  • Acompanhamento psicoterápico
  • Dilatadores vaginais
  • Exercícios fisioterápicos, tais como o de Kegel e de Masters Johnson

Pergunta dos leitores

Vaginismo causa dor na relação sexual?

Sim, um dos maiores problemas do vaginismo é que a contração da musculatura torna a relação sexual muito dolorida. Muitas vezes a dor e a contração são tantas que acaba até mesmo impossibilitando a penetração.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre o vaginismo, como ocorre, suas causas e qual o tratamento adequado. Aproveite essas informações e procure ajuda caso necessário!